Pavê de Chocotone

Ingredientes

Creme Confeiteiro:

1/2 fava de baunilha

1/2 litro de leite integral

120g de açúcar refinado

50g de manteiga sem sal

1 ovo

5 gemas

40g de amido de milho (maisena)

Ganache de Chocolate:

360g de chocolate ao leite picado (Pode ser substituído por chocolate meio amargo)

250ml de creme de leite fresco

Merengue Italiano:

50ml de água

200g de açúcar

100g de clara de ovo

1 unidade de 500g de chocotone cortado em fatias de 1cm de altura

Modo de preparo

Para o Creme Confeiteiro:

1. Abra a fava de baunilha ao meio, tire as sementes com o auxílio de uma colher de café.

2. Leve o leite para ferver junto com a fava de baunilha e suas sementes, metade do açúcar e a manteiga.

3. Em uma vasilha com o auxílio de um batedor de ovos ou um garfo bata bem as gemas, os ovos, o amido de milho e o restante do açúcar até ficar bem misturado.

4. Quando o leite começar a ferver coloque duas conchas bem cheias de leite fervente na mistura de ovo e gemas. Mexa bem para misturar e tome cuidado para que o ovo e as gemas não cozinhem com o leite fervente. Junte a mistura de gemas e ovo ao leite da panela. Leve ao fogo baixo e cozinhe até que comece a engrossar, mexendo sempre. Retire a fava de baunilha.

Para a Ganache de Chocolate:

1. Leve o creme de leite para ferver.

2.  Jogue sobre o chocolate picado, espere 30 segundos e mexa vigorosamente até o chocolate derreter e formar uma mistura homogênea.

Para o Merengue Italiano:

1. Leve a água e o açúcar ao fogo até atingir o ponto de bala mole**.

2. Na batedeira: Bata as claras em neve. Ainda batendo coloque o caramelo quente, aos poucos, sobre as claras (o caramelo deve ser colocado aos poucos e sem interromper). Continue batendo as claras com o caramelo até esfriar.

**Bala Mole: encha uma xícara(chá) com água fria. Vá pingando a calda dentro da água fria. Quando conseguir “pegar” o caramelo com os dedos e formar uma bolinha mole, está pronto e no ponto de bala mole. Esse ponto chega quando a temperatura atinge 110°C. A calda não fica com uma coloração dourada, ela deve ficar transparente.

Montagem:

1. Em uma taça ou refratário de pavê coloque uma camada de creme confeiteiro. Coloque as fatias de chocotone sobre o creme e cubra com a ganache de chocolate. Continue montando alternando as camadas de creme, ganache e chocotone. Por último cubra com o merengue italiano. Leve o pavê para gelar por, no mínimo, 5 horas.

2. Para dourar o merengue: pré aqueça o forno bem alto (260°C). Quando o forno já estiver bem quente, coloque o refratário do pavê e deixe  até dourar o merengue. Se possuir, utilize um maçarico ou o dourador (grill) do forno. O resultado será igual. Retire do forno e leve para gelar novamente.

* Dica: Se o chocotone estiver seco ou se preferir um pavê mais úmido, molhe o chocotone com leite antes de montar o pavê!

Rendimento: 10 porções
Tempo de preparo: 1 hora e 30 minutos
Dificuldade: Média

Flan de Doce de Leite

Ingredientes

Caramelo:

2/3 xícara (chá) de açúcar refinado

1/3 xícara (chá) de água

Flan:

600g de doce de leite argentino cremoso

1 xícara (chá) de leite integral

1/2 fava de baunilha

8 gemas

1 colher (sopa) de óleo de canola

Modo de Preparo

Caramelo:

1. Leve ao fogo médio o açúcar até derreter.

2. Coloque a água e ferva até virar uma calda.

3. Coloque um pouco do caramelo no fundo de forminhas individuais.

4. Leve para gelar.

5. Quando o caramelo endurecer unte as laterais da forma com óleo.

Flan:

1. Leve o leite para ferver com a baunilha (abra a fava ao meio, raspe as sementinhas e coloque-as no leite).  Quando ferver coloque o doce de leite e misture bem até ficar líquido.

2. Peneire as gemas. Coloque o doce de leite nas gemas peneiradas (fora do fogo) aos poucos, mexendo rapidamente para não talhar.

3. Volte para a panela e em fogo baixo e mexa sem parar por 3 minutos. Despeje nas forminhas e leve para assar em banho-maria em forno baixo (170°C) por 30 minutos ou até ficar firme.

4. Leve para gelar e desenforme.

*Sugerimos usar as forminhas individuais pois a conscistência do flan é bem mole e na forma grande ficaria mais difícil de desenformar.

**Você pode utilizar a casca da fava de baunilha (sem as sementes) para aromatizar o seu açucareiro. Leve ao forno até ficar bem sequinha e misture com o açúcar.

Hot Dog Gourmet

Ingredientes

1 baguete de boa qualidade

1 salsicha Hanz, Eder ou Ceratti

1 colher (sopa) rasa de mostarda Dijon

½ xícara (chá) de queijo Gruyére ou Ementhal ralado

 

Modo de Preparo

1. Coloque uma panela quase cheia de água para ferver. Quando ferver coloque as salsichas e deixe cozinhando por 4 minutos. Retire a salsicha e escorra todo o excesso de água.

2. Pré-aqueça o forno a 220°C.

3. Corte a baguete ao meio no sentido do comprimento (não corte demais para não separar as duas partes da baguete).

4. Em uma das partes do pão espalhe a mostarda dijon e na outra parte espalhe o queijo ralado. Leve ao forno até o queijo derreter.

5. Retire a baguete do forno.

6. Coloque a salsicha cozida dentro da baguete. Feche de uma forma que o queijo derretido caia sobre a salsicha. Sirva imediatamente.

 

Rendimento: 1 sanduíche

Tempo de Preparo: 20 minutos

Dificuldade: Fácil

Quantidade de alimento X pessoa

Vira e mexe ouvimos relatos de nossos clientes e leitores sobre a dificuldade em acertar na quantidade de bebidas e comidas por pessoa. É um drama pessoal, não é mesmo? Uma hora sobra, outra falta e você – para ser educado – finge que não está com fome e cede sua dose ou porção para o convidado.

Por esse motivo, resolvemos apresentar algumas noções sobre a quantidade padrão para cada convidado. Ah, mais dicas (deliciosas!) sobre festas e como receber de maneira descomplicada estão nos dois livros da Monica Varela: Receber sem Stress e Boas Festas sem Stress.

Conte quantos convidados você pretende receber e confira a faixa etária dos convidados. Quanto mais jovens, mais comida será consumida. O mesmo vale para os homens, que acabam comendo mais do que as mulheres.

Claro que todas essas quantidades vão variar de acordo com o tempo da festa que você pretende dar. Numa festa de 4 horas de duração, você pode seguir as dicas acima e aumentar proporcionalmente a cada hora que for acrescentada.

Ah! Outra coisa importante: calcule de 2 a 3 copos por pessoa (no caso dos de vidro) e de 4 a 5 (se forem de plástico). Os copos de vidro devem variar entre tulipas, taças, copos para refrigerante, água e etc.

Bom apetite!

Quantidade de Bebida por pessoa

Uísque – 1 garrafa fornece 20 doses

Vinho tinto – 1 garrafa para cada 2 pessoas

Vinho branco – 1 garrafa para cada 2 pessoas

Champanhe – Igual ao vinho (se servir apenas champagne)

Cerveja – 3 latas por pessoa

Refrigerante – 1 garrafa grande para cada 5 pessoas

 

Quantidade de Comida por pessoa

Canapés – 4 ou 5 por pessoa. Eles não são feitos para satisfazer a fome do convidado e sim para distraí-los.

Salgadinhos – 6 a 8 por pessoa, caso vá haver um jantar completo. Se for servido apenas o coquetel, 12 a 15 por pessoa.

Sanduíches – 1 metro de sanduíche serve 6 pessoas. Mini sanduíches: 5 ou 6 por pessoa.

Queijos – 150g por pessoa.

Arroz – 50g por pessoa (ainda cru).

Massas – 150 a 200g por pessoa.

Camarão – 70g por pessoa.

Carne e peixes – 200g por pessoa.

Churrasco – 300g por pessoa

Docinhos – 5 a 6 por pessoa

Bolo – 100 a 150g por pessoa

Sorvete – 1kg = 20 bolas. Calcula-se uma bola por pessoa.

 

Merengue com Frutas tropicais e Calda de Chocolate

Ingredientes

1 xícara (chá) de kiwi cortado em cubos

1 xícara (chá) de uva Thompson cortada ao meio

1 xícara (chá) de manga Haden cortada em cubos

200g de suspiro de boa qualidade

Chantilly:

2 colheres (sopa) bem cheias de açúcar refinado

500mL de creme de leite fresco gelado

1 colher (chá) de essência de baunilha

1 Receita de calda de chocolate

Modo de fazer

1. Lave as frutas e pique-as. Reserve.

2. Para o chantilly: Na batedeira, bata o creme de leite, colocando o açúcar aos poucos até ficar com consistência de creme chantilly. Cuidado para não bater demais: o chantilly pode perder o ponto e desandar.

3. Em taças individuais ou em uma tigela única, vá intercalando as camadas, começando pelas frutas picadas, depois o suspiro quebrado com as mãos em pedaços menores, calda de chocolate e chantilly.

4. Repita a sequência. Decore com chantilly, suspiro quebrado em pedaços menores e calda de chocolate.

*Evite utilizar frutas muito aguadas. Elas podem soltar água e amolecer os suspiros.

*Essa sobremesa pode ser montada algumas horas antes de ser servida.

Rendimento: 6 porções

Tempo de Preparo: 50 minutos

Dificuldade: fácil

Sob o sol da Toscana

Una bella villa. Ou simplesmente uma casinha. Quem esteve na Toscana teve esse desejo, pelo menos por alguns minutos: morar em uma das mais belas e pitorescas províncias da Itália. Essa foi a vontade – realizada! – da professora norte-americana, poeta e gastrônoma Frances Mayes. A magnífica experiência está registrada no livro Sob o Sol da Toscana, também transformado em filme na década de 80.

Brasamole é o nome do antigo solar onde ela e o marido, Ed, passariam alguns meses por ano. De cor de abóbora e com venezianas verdes, a casa exigiu uma mega reforma para que pudesse ficar habitável. É nesse meio tempo que Frances descobre os prazeres gastronômicos da Itália. Dia após dia, a professora – antes acostumada a receitas com mil e um ingredientes – deleita-se com os sabores in natura, das frutas, vegetais, azeites… Instintivamente, ela elabora receitas, todas degustadas com incríveis vinhos!

E assim eles seguem os dias, entregues a passeios pelas cidades vizinhas, a recepção de amigos e a leitura da poesia. Tudo isso em meio a caótica reforma que parece nunca ter fim! O resultado é um relato minucioso, que se destaca pela riqueza de detalhes do local quanto dos modus vivendi. Uma verdadeira viagem sem sair de casa! Vale a pena.

Beijos, Dea!

Minhas receitas prediletas

Todo mundo sabe – mas faço questão de reforçar – que não sou chef mas adoro me arriscar na cozinha. Quando quero fazer algo especial ou temos convidados, corro logo para o blog. Faço isso com tanta frequência que tenho minha lista de receitas prediletas. E hoje vim aqui compartilhar as mais queridas com vocês.

Em primeiríssimo lugar na audiência está o Atum com Crosta de Gergelim e Molho oriental. O prato é daqueles de comer de joelhos. Para mim, o grande segredo (estou certa, meninas?) é um atum fresco e de excelente qualidade. No meu caso, costumo encontrar às sextas, na feira livre da rua Conceição Veloso, na Vila Mariana, perto de casa.

Atum, o primeiro lugar dos mais pedidos!

Outro hit de sucesso na minha cozinha são os Legumes rústicos assados com Tomilho. Como sou fã de vegetais e procuro ter uma alimentação saudável, o prato entra toda semana no cardápio. O melhor de tudo: é fácil de fazer. Vai tudo para o forno e eu vou para o merecido banho depois de um longo dia de trabalho.

Agradar a todos é complicado, não é? É o caso da próxima receita. O noivo torce o nariz, mas o Macarrão de Abobrinha verde com Molho de Tomate é um de meus pratos preferidos da Dedo de Moça. Depois que usamos em nosso detox, incluí no menu aqui de casa.

Saindo um pouco dos pratos salgados e migrando para as bebidas, vou eleger duas. O Suchá de Hibisco com Capim Limão e Suco de Limão e o Caju Amigo da Rafa! Ah, para que os doces não fiquem de fora (não sou grande fã dessa categoria) vou mencionar um para o qual abro honrosa exceção: Creme de Manga com Iogurte, Gengibre e Mel. Como adoro leite de coco, troco o iogurte por ele. Fica incrível também!

Beijos, Dea!

Ideia de cardápio para brunch

No mês passado eu batizei o meu pequeno! Como só consegui na igreja o horário das 9 horas fiquei na dúvida entre fazer um café da manhã ou um brunch. Como a família do meu marido mora no interior, achei que o brunch seria legal pra passarmos o dia juntos!

Contei com a ajuda da Fê Surian, minha fiel escudeira, e do meu irmão para preparar tudo. Não é por nada, mas ficou uma delícia! Vejam o cardápio:

Travessa de frutas frescas (uvas, cerejas e morangos)

Cesta de pães (croissant, pain et chocolat e mini baguete)

Salmão defumado com sour cream

Queijo brie com mel (servido no réchaud)

Geleias, manteiga e coalhada seca

Patê de foie gras

Bolo de banana

Quiche de alho poró

Salada de couscous marroquino com pesto, tomatinhos e mussarela búfala (servido em taças de dry martini)

Salada de folhas verdes com peras grelhadas, queijo de cabra, amêndoas e molho de honey mostard

Nhoque de mandioquinha com ragu de ossobuco

Bolo de chocolate com pistache

Brigadeiros

Suco de Limão com Capim santo e Mel

Beijos, Pati!

Espetinhos tipo caprese

Eu adoro receber amigos em casa! Acho que sair para jantar fora – infelizmente – está cada vez mais caro e complicado (filas de espera, trânsito, manobristas…). Portanto sempre que tenho um tempinho extra, preparo uns quitutes e ligo pro pessoal.

Uma coisa que eu tenho percebido é que os pratos mais fáceis e rápidos fazem o maior sucesso, como por exemplo esse espetinho, que sempre agrada a maioria! Usei palitos de bambu (mas você pode utilizar aqueles de churrasco, tradicionais mesmo!) e intercalei tomate sweet (bem maduro e vermelhinho) com bolinhas de mussarela de búfala. O toque especial – e super aromático – fica por conta das folhas de manjericão.

Ah, se você quiser tornar a receitinha ainda mais suculenta, oferece aos convidados um pequeno bowl com pesto. Basta mergulhar os espetinhos e hummmm! Enfim, pra que complicar se podemos facilitar?

Beijos, Pati!

Espetinhos caprese

 

Delícias da Alemanha

Acabei de voltar de uma viagem maravilhosa pela Itália, Alemanha e República Tcheca. Visitei lugares incríveis e pude aprender tanto mais sobre a cultura desses países, seus sofrimentos e vitórias ao longo dos anos. Mas tinha uma coisa que me intrigava antes de ir: o que comer lá pela Alemanha? Eu não curto chucrute e joelho de porco. E agora?

A melhor das surpresas foram as würstslinguiças ou salsichas. Dependendo do processo de cozimento, parece uma coisa ou outra. A linguiça branca é bem molinha, servida aferventada em água e lembra muito a consistência de uma salsicha de cachorro-quente. Lá em Berlim, comemos com uma mostarda doce – e não exageraram na expressão DOCE! Também em Berlim comemos as famosas currywürst, linguiças servidas com um molho levemente adocicado e pitada de curry, acompanhada de batata frita e maionese. Pegamos a dica com um guia sobre onde era seu currywürst favorito e fomos até um quiosquinho de rua, numa vizinhança meio escura e curiosamente frequentada. Achei delicioso e vale cada horinha a mais na academia! Ainda bem que turista anda bastante!

Além das würsts, não posso esquecer dos schnitzels. Uma milanesa bem sequinha e crocante, que podia ser de carne de porco, frango ou peru. Eu comi um de cada. Meu favorito foi o porco, que levava um corte magro. Em um restaurante típico super gostoso, o Rutz, ele era servido com flor de sal e acompanhado de salada de pepino com batata e geléia de cranberries. Durante a Oktoberfest, uma das formas mais gostosas era comer em pé, em frente a uma barraquinha, no formato sanduíche. Tem comida melhor pra acompanhar aquele litro de cerveja alemã?

Fotos: Paula Tanaka Camara

E, eu poderia continuar falando sobre todas as comidas gostosas! De massa folheada ou no bolo, molhadinho ou sequinho, no café da manhã ou na sobremesa, os doces de maçã me encantam. Os pretzels eram beliscos da tarde, puros ou acompanhados de uma pasta de queijos. Os pães maravilhosos, com grãos e sementes, que saíam quentinhos do forno de uma padaria ao lado do nosso hotel. Dá fome só de pensar!

Pra resolver essa lombriga, vamos acabar o post com uma receitinha de frango (ou quem sabe um lombo?) à milanesa.

Beijos, Py!

Filé de Frango à milanesa

Ingredientes

500g de peito de frango (pedir para o açougueiro filés bem finos, porém largos)

2 ovos

1 xícara (chá) de farinha de rosca

20g de manteiga

50ml de óleo de milho

Sal e pimenta-do-reino

Modo de fazer

1. Se os peitos de frango estiverem altos, abra-os com uma faca.

2. Corte os pães amanhecidos em cubinhos minúsculos e reserve.

3. Bata os ovos.

4. Tempere os filés com sal e pimenta.

5. Passe-os na mistura de ovos e depois nos pedaços de pão, apertando bem para que se fixem aos filés.

6. Em uma frigideira grande aqueça a manteiga com o óleo e frite os filés, em fogo médio, até dourarem.

Rendimento: 4 porções

Tempo de preparo: 20′-30′

Dificuldade: Fácil

 

Lista de compras pra baixar!

Depois de usar o nosso Organizador de Cardápio Semanal para definir a sua alimentação da semana, imprima também as nossas Listas de Compras. Os dois itens estão disponíveis em nossa lojinha!

As listas ajudam bastante no supermercado: você não compra demais e nem esquece nada! Lembre-se também de experimentar ingredientes variados, temos a tendência de comprar sempre os mesmos! Bom apetite!

Beijos, Dea!

Combinações para carnes vermelhas

Percebemos, durante as nossas aulas, uma grande dificuldade para combinar os pratos na hora de montar cardápios. Por isso, ensinamos nossas alunas nas aulas do Casa Gourmet e queríamos passar um pouco dessas ideias para nossos queridos leitores!

Para começar, precisamos saber o que são refeições balanceadas. Temos que comer um pouco de tudo: proteínas, carboidratos e vitaminas. Ou seja, não dá para montar um cardápio com arroz, batata e farofa na mesma refeição, se quisermos ter um prato balanceado.

Aqui seguem algumas dicas para combinações com carne. Bom apetite!

Beijos, Rafa!

Molhos

Tomate, pesto, molho de carne e derivados (com vinho tinto, madeira, porto ou marsala ou ervas), mostarda, funghi, au poivre, etc.

Acompanhamentos carboidratos (escolha 1)

Arroz (Branco, integral ou 7 grãos): Com ervas; com uva passa; com amêndoas; com legumes; estilo oriental com ovos, legumes e shoyu.

Fotos: Carol Milano

Tubérculos (Batata, mandioquinha, aipim, cará e outros): Pode ser em purê, gratinados no forno, na manteiga, com ervas e ao forno.

Polenta: Pode ser com molho, frita e mole.

Macarrão: Puxado no molho da carne, com molho de queijo, tomate ou pesto, ou ainda na manteiga com ervas ou legumes.

Farofas: De cenoura, de ovos, biro-biro, de cebola, de alho, de banana, com farinha de mandioca (flocada ou não), com farinha de pão ou farinha de milho.

Acompanhamentos legumes e verduras (escolha de 1 a 2)

Cremes (milho, espinafre), legumes no vapor com azeite, legumes gratinados ao forno (couve-flor ou brócolis gratinado com bechamel e queijo), purê de legumes (de cenoura, de abobrinha com manjericão, de abóbora, oude banana), legumes assados, grelhados (berinjela, abobrinha, tomate, cebola e cenoura grelhadas) e saladas variadas.

Acompanhamentos grãos

Feijão (preto, marrom, branco e fradinho), lentilha, trigo, cevadinha, grão de bico e sojinha. Os grãos podem ser quentes ou frios, em saladas.

Acompanhamentos ovos

Suflê (de legumes, cenoura, espinafre com queijo, queijo ou abobrinha), quiches (alho-poró, cebola roxa, espinafre, legumes em geral, milho, queijo de cabra e cebola, queijo brie e aspargos, cogumelos e queijos variados).

Ervas e especiarias que combinam com carne

Alecrim, salsinha, cebolinha, hortelã, louro, manjericão, tomilho, sálvia, orégano, gengibre, gergelim, mostarda, noz-moscada, páprica, pimenta e zimbro.

Métodos de cozimento para as carnes

- Empanado (filé ou contra-filé): Bife à milanesa, à parmegiana e polpetone.

- Assado (fraldinha, maminha, picanha e carne moída): Na churrasqueira, ao forno, quibe de forno, escondidinho e rocambole de carne.

- Ensopado, cozido ou recheado (músculo, maminha, fraldinha e lagarto): Lagarto recheado e carnes de panela.

- Grelhado e selado (filé, contra-filé e carne moída): Medalhão de filé, hambúrguer ou rosbife.

- Refogado (carne moída): Recheios para tortas, panquecas, refogada com legumes, com azeitonas ou para molho bolonhesa.

- Cru (filé mignon, patinho e capa de filé): Quibe cru e steak tartare.

Lembrem-se que vocês podem incluir queijos (proteína) na salada, grãos e carboidratos (croutons). E que a quiche com legumes e queijo exige apenas uma saladinha para acompanhar!

Claro que tudo isso é simplesmente uma orientação e temos que ter bom senso na hora das refeições. Mas, de vez em quando, ninguém está livre de comer arroz, com batata palha e farofa no churrasco! Ceder a gula (esporadicamente) faz bem a alma. Afinal de contas, não comemos só para sobreviver: temos que nos alimentar com muito prazer!

 

Sebastiana Quebra-Galho

Nenzinha Machado Salles escreveu, em 1978, Sebastiana Quebra-Galho, livro que já está na edição 34. E eu, há uns 10 anos, quando minhas amigas começaram a casar, dava de presente a obra para a noiva em questão. Era sempre o hit do chá de panelas. Todas começavam a ler e se divertir.

O jeito que a Nenzinha escreve é cômico, uma mistura de dica de vó com benzedeira. Algumas dicas são quase sobrenaturais, como bater palma para tirar o gosto de queimado do arroz… Será? Imaginem só quantas pessoas nesses últimos 34 anos (e 34 edições) se beneficiaram destas dicas?

Também achei ótima a receita para curar ressaca. Vivendo e aprendendo… Acho que fico com “a vitamina C e água gasosa em pequenos goles”.

Beijos, Má!

Arroz queimado

Não leve à mesa o arroz com gosto de queimado. Siga rapidamente (enquanto está bem quente e com o vapor) um destes conselhos:

- Enfie a panela destampada imediatamente dentro de uma bacia ou recipiente maior que ela, contendo água fria. Após alguns minutos o cheiro desaparecerá. Transfira, então, o arroz para outra panela, sem raspar o fundo que queimou.

- Destampe a panela ainda bem quente, retire dela um punhadinho de arroz, ponha-o sobre a pia ou mesa, colocando sobre ele a panela. Depois, proceder como acima.

- Destampe a panela e enfie imediatamente — bem no meio do arroz e até o fundo — um garfo (desses comuns — inoxidáveis). Deixe-o assim espetado por alguns segundos; quando sair toda a fumaça terão saído, também, o cheiro e o gosto do queimado. Depois, proceda como nas vezes anteriores.

- Destampe a panela e coloque dentro dela, sobre o arroz, um pedaço de pão, tampando-a imediatamente, e espere alguns minutos. Depois destampe a panela e jogue o pedaço de pão fora. Ele terá absorvido todo o cheiro e o gosto de queimado. Transfira o arroz para outra panela, desprezando o fundo queimado.

- Com tantas boas sugestões para se aproveitar o arroz (e o feijão) que queimou, creio que esta é a mais simples e mais interessante: destampe a panela e bata palmas três vezes; faça isso não muito depressa (o normal) e a cada palma conte mentalmente ” 1,2,3″. Aguarde então até que saia toda a fumaça e o arroz esfrie um pouco. Depois, proceda como sugerido anteriormente.

Ressaca de álcool

Após uma noitada alegre, quando geralmente as pessoas se excedem na bebida, é comum no dia seguinte acordarem com uma tremenda ressaca.

Uma das inúmeras maneiras de se curar uma ressaca (todo bebedor conhece uma) é tomar em jejum um copo de cerveja, de preferência a cerveja preta, que além de eliminar ressaca, é boa para o estômago. E mais:

- Comer algumas ostras cruas (em jejum); são tiro e queda.

- Tomar 2 comprimidos de vitamina C; vão não só cortar a ressaca como também acabar com a fadiga.

- Cheirar sais ‘é batata’ para se livrar das tonturas.

- Tomar água gasosa em pequenos goles.

- Dar para o beberrão um chá feito com folhas de boldo.

- Mas se ele recusar a tomar esse chá (é amargo…), ofereça-lhe um copo de suco de tomate; com certeza, este não vai recusar.

- E, para um ‘ressaqueiro‘ requintado, o remédio é outro requinte: tomar… uma taça ou flûte de champagne. Mas... cuidado, não vá emendar com outro pileque…

- Quando se bebe continuamente, e o pileque se manifestar, corte-o imediatamente tomando, ou melhor, chupando dois ovos crus (furar o ovo dos dois lados) e, numa chupada, engoli-los de uma só vez.


Como escolher legumes

Já falamos sobre a sazonalidade das frutas e verduras, mostramos quanto tempo duram os alimentos na geladeira e ensinamos a escolher peixes, entre outras dicas que nossas avós já sabiam! Hoje é dia de mostrar como selecionar os legumes. Vamos lá?

Beijos, Fê!

P.s.: Aguarde os próximos posts!

Cenoura

Deve estar sem nenhum furo, ter cor laranja bem forte e ser bem dura (descarte as que estiverem molengas e murchas).

Cebolas

Aperte delicadamente as duas extremidades da cebola. Se alguma das extremidades estiver mole demais, é sinal de que o interior estará podre. Prefira as que não tem nenhuma rachadura e pouca casca para facilitar a visualização.

Abobrinha italiana

Não deve estar murcha e enrugada, nem deve ter nenhum buraco.

Berinjela

Assim como a abobrinha, não deve estar murcha e enrugada. Olhe atentamente se não há nenhum buraquinho. A berinjela é um dos vegetais que mais encontramos ‘bichinhos’ escondidos.

Abóbora japonesa (cambochá)

A coloração deve ser laranja forte (se estiver amarela não está tão madura). A casca e polpa devem estar bem duras.

Tomate

Devem estar lisinhos (sem buracos, cortes, rachaduras e nem amassados). Você deve apertá-lo e verificar que nenhuma parte esteja mole demais.

Batata

Escolha as mais lisinhas, firmes e sem buracos.

Mandioquinha

Assim como as batatas, escolhas as que estiverem mais firmes e sem manchas escuras.

Postamos no Facebook

Fala-se que a nova onda da culinária vem da Escandinávia e que a comida tecnológica já era! Será? Só o futuro dirá, mas como adoramos uma comida mais caseira, postamos em nosso Facebook esse link! Migrando do assunto comida — predileto por aqui — a Má postou as dicas da Home Organizer para deixar o seu freezer impecável! Vejam a diferença, nas fotos do link, entre um caótico e outro organizadinho. Adoramos!

Voltando às comidinhas, a Maria ganhou – pela segunda vez – o concurso o Melhor Pastel de Feira de São Paulo! Lemos a notícia no Gordelícias. Para não dizer que não curtimos uma receita mais saudável, e esse roesti de batata doce com cogumelos? Parece delicioso, não é? Da mesma maneira que soou incrível pra gente essa lista de receitas que levam bebidas alcoólicas como ingrediente!

E, para finalizar: que tal esse cheesecake de Twix que a Py encontrou?

Gostaram? Semana que vem tem mais!

Beijos, Dea!

 

Tabelas de sazonalidade de hortifruti

Vejo muitas vantagens em usar produtos que estão na época: são mais baratos, mais gostosos, têm menos agrotóxicos e são mais sustentáveis!

Como saber qual fruta está na época? Uma maneira é conversar com o seu feirante ou atendente no supermercado. Outra é consultar tabelas de sazonalidade, como esta abaixo, bem resumida, que preparamos para você. Para baixar a tabela clique aqui!

ANY CHARACTER HERE

ANY CHARACTER HERE

O CEASA tem uma tabela incrível, que tem informações sobre frutas, legumes, verduras e até peixes. Aqui está o link.

Ah, na semana que vem vamos ao CEASA levar um grupo para uma aula gratuita. A turma já está fechada! Quem tiver interesse em participar da próxima, manda um email pra gente!

Eu vou aproveitar que o morango ainda está na época e vou preparar uma Panacota com Morango agora mesmo!

Beijos, Má!

Dicas sobre ovos

Existe a tão equivocada frase “Mas ele não sabe nem fazer um ovo frito!”, como se essa fosse uma tarefa fácil. Que nada! Às vezes a panela não colabora, então o melhor é usar uma panela anti-aderente. Um fiozinho de óleo deve estar bem quente na panela antes de quebrar o ovo.

Pra quem gosta de uma gema molinha, o fogo deve estar médio, assim a clara cozinha, mas a gema, não. Para os que gostam de uma gema mais durinha, deixe o fogo mais baixo, assim a gema cozinha e a clara não queima.

E o ovo cozido? Como evitar aquela camada cinza em volta da gema? Independente de gema mole ou dura, coloque a água para ferver com uma colher de sopa de vinagre, que ajuda a clara a ficar durinha. Parece besteira, mas a casca é bem porosa e o vinagre consegue passar, coagulando melhor a clara.

Para aqueles que gostam de gema bem molinha, deixe cozinhando por 5 minutos. Para uma gema durinha, deixe 12 minutos. E tire rapidinho, se não a camada cinza se forma! E não pode esquecer do choque térmico com água gelada, que também separa melhor a casca da clara cozida. Mas se você não quer esfriar o ovo, faça o choque com água bem gelada e, assim que der para segurar, comece a descascar.

E sabe quanto pesa um ovo? Já pegou uma daquelas receitas que dá a quantidade de ovos em gramas? Assim fica fácil:

A clara representa 57.3% do peso total, a gema 30.9% e a casca 11.5%
* Classe XL – Gigante – peso superior a 73 gramas (equivale a 64g sem a casca)
* Classe L – Grande – peso entre 63 a 73 gramas (equivale a 60g sem a casca)
* Classe M – Médio – peso entre 53 a 63 gramas (equivale a 51g sem a casca)
* Classe S – Pequeno – pesor menor do que 53 gramas (equivale a 47g sem a casca)

 

Beijos, Py!

Agora que você já sabe todos os truques sobre ovos, que tal preparar essa deliciosa

nuvem?

Como escolher peixe

Uma dúvida super frequente entre nossos clientes é como escolher o melhor peixe. A gente sempre diz que, de uma forma geral, a aparência de um peixe fresco é bem parecida com a de um peixe vivo! Vamos às dicas?

Escolhendo o melhor peixe

Evite escolher o peixe que está por cima dos outros. Ele não está em contato com o gelo, mas com outro peixe. Portanto, dê preferência àqueles que estão por baixo.

Se ele vier numa bandeja, observe se há água por baixo. Se houver, é um sinal de que o peixe foi mal acondicionado.

O peixe deve exalar um cheiro de mar (inclusive os de água doce). Ele não pode ter, em hipótese alguma, cheiro de ‘fim de feira’, principalmente se esse odor vier da barriga. Isso porque um peixe velho que ficou ali inteiro sofre deterioração no ventre, com restos de comida.

O corpo do peixe deve estar firme e resistente. O ventre, por sua vez, precisa estar normal, sem sinal de inchaço ou de que murchou.

A rigidez do corpo indica que ele morreu há pouco tempo. Tente dobrar o corpo do peixe. Se, depois de algumas tentativas, isso não acontecer, significa que ele foi congelado anteriormente e não está fresco.

Os olhos do peixe devem estar brilhantes; as pupilas escuras e as íris branca ou amarelada.

As brânquias devem estar vermelhas ou rosadas e úmidas.

Lembrem-se que os peixes são excelentes fontes de proteínas animais e minerais (como sódio, potássio, ferro, magnésio e cálcio). Além disso, também são fontes de vitaminas do complexo B. A inclusão regular do alimento na dieta ajuda no controle da pressão arterial e colabora com a coagulação do sangue.

A maioria dos peixes também é rica em ômega 3, agindo no combate a inflamações, no desenvolvimento cerebral e na regeneração das células nervosas. Por fim, eles têm ainda função protetora do coração, pois diminuem o mal colesterol e aumentam o bom colesterol!

Infelizmente, alguns peixes estão em extinção, como a gente já falou aqui no blog! Na nossa tabela, você saberá quais são as espécies indicadas para o consumo mais sustentável. Dê preferência, por exemplo, ao robalo no lugar do atum. Reserve o atum (é uma delícia, a gente concorda!) para ocasiões especiais.

Beijos, Pati!

P.s.: Ah, agora que vocês já sabem escolher o melhor peixe, que tal testar nossa receita de Atum com Crosta de Gergelim e Molho oriental? Mas lembre-se: moderação no consumo dessa espécie, ok?

Fotos: Carol Milano

 


Dicas para suflês

Clássico da cozinha francesa, o suflê agrada logo que sai do forno, ao exalar pela casa aquele aroma que é um convite para comê-lo. Um suflê com a massa aerada e fofa, devidamente coberta por uma crosta crocante, é o sonho de qualquer um. Contudo, alguns cuidados são imprescindíveis para que ele fique assim. Vamos conhecê-los?

- Para que ele cresça adequadamente, o tamanho do recipiente precisa ser proporcional à quantidade de massa. Se for muito raso, o suflê não crescerá corretamente. O ideal é usar forminhas apropriadas (os ramequins).

- Use formas untadas com manteiga (para não grudar) e polvilhados com o ingrediente indicado na receita (para que ele cresça). Não esqueça de untar as bordas!

Fotos: Carol Milano

- As claras não devem ser batidas em excesso, pois perderão a capacidade de expandir e, por conseguinte, o suflê não crescerá. O ideal é que elas mantenham o brilho quando batidas. Caso fiquem opacas terão passado do ponto.

- Também é necessário observar a temperatura do forno: muito quente fará o suflê queimar na superfície e ficar cru por dentro. Se ficar muito frio, não proporcionará a temperatura necessária para a expansão do ar – responsável pela leveza do prato.

Agora que você aprendeu todos os truques, que tal testá-los em nossas receitas de suflê? Chocolate, Goiabada com Calda de Catupiry ou Batata? Você decide. Ah, depois conta para gente, nos comentários, o resultado final da receita escolhida?

Beijos, Pati!

Menu do dia dos pais

Domingo é dia dos pais, isto é, os restaurantes estarão lotados e os menus fechados inflacionados… Que tal preparar o almoço em casa? Posso garantir que vai ser muito mais divertido (e barato!).

Pensei em um menu que agrada bastante os homens e não é difícil de fazer. Como entrada uma salada de tomate caqui (maduro), orégano fresco, lascas de parmesão (eles adoram) e caramelo balsâmico (quem não quiser fazer dá pra comprar pronto). De prato principal um rosbife com molho rôti (quem quiser pode comprar pronto, no Santa Luzia tem um caseiro bom) e cogumelos acompanhado por um capellini com manteiga trufada (é carinha, mas você pode substituir por uma manteiga de ervas). E para finalizar um belo suflê de chocolate – receita do Fasano!

Eu vou fazer aqui em casa para meus amados: papi e marido! E, ah, quem tiver dúvidas é só avisar (por comentário) que eu ajudo!

Beijos, Pati!

Salada de Tomates, Lascas de Parmesão, Caramelo balsâmico e Orégano

Fotos: Carol Milano

Ingredientes

2 tomates caqui

4 ramos de orégano fresco

Caramelo balsâmico a gosto

100g de parmesão em pedaço

Modo de fazer

  1. Lave e corte os tomates em rodelas não muito finas. Reserve.
  2. Retire lascas do parmesão com o auxílio de um descascador de legumes. Reserve.
  3. Arrume em uma travessa as fatias de tomate e salpique as folhas de orégano sobre elas. Coloque fios de caramelo balsâmico sobre os tomates e, por último, salpique as lascas de parmesão.

Rendimento: 4 porções

Tempo de preparo: 15 minutos

Dificuldade: Fácil

Rosbife com Molho de Cogumelos


Ingredientes

 

1 peça inteira de filé mignon, limpo

Filme plástico

1 colher (sopa) de óleo de canola ou azeite

Papel alumínio

Molho de Cogumelos

2 colheres (sopa) de manteiga sem sal

1/3 xícara (chá) de cebola bem picada

200g de shimeji fresco desfiado em pedaços pequenos

200g de shitake fresco cortado em fatias finas

200g de cogumelo Paris cortado em fatias finas

1 colher (sopa) de farinha de trigo

150ml de vinho branco seco

150ml de caldo escuro de carne

Sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de fazer

  1. Corte as pontas do filé mignon, deixando a peça inteira com a mesma espessura.
  2. Enrole o filme plástico em volta da carne e formando um cilindro. Deixe na geladeira por, no mínimo, 3 horas antes de usar.
  3. Retire o filme plástico que envolve a carne e aqueça bem uma frigideira. Unte com azeite ou óleo e em fogo bem alto doure e sele a peça inteira de filé mignon, até dourar todos os lados. Tempere com sal e pimenta.
  4. Coloque o filé mignon selado numa assadeira cubra com papel alumínio Leve em fogo médio (180°C) por 12 minutos ou até atingir 55°C.
  5. Na mesma frigideira que selou o filé mignon derreta a manteiga, adicione a cebola picada e refogue até ficar transparente.
  6. Junte os cogumelos, poucos por vez, refogue mais um pouco (cuidado para não deixar os cogumelos moles demais). Acrescente a farinha de trigo e o vinho branco, misture bem e cozinhe por mais 2 minutos.
  7. Acrescente o caldo. Tempere com sal e pimenta e deixe reduzir mais um pouco.
  8. Na hora de servir fatie o rosbife e regue com o molho.

OBS: O rosbife pode ser servido quente ou frio.

Rendimento: 4 porções

Tempo de preparo: 50 minutos

Dificuldade: Fácil

Capellini com Manteiga trufada

Ingredientes

400g de capellini ou espaguetini

2 colheres (sopa) de manteiga trufada

3 colheres (sopa) de manteiga sem sal

Sal e pimenta-do-reino moída na hora

Modo de fazer

  1. Cozinhe o capellini em água com sal até ficar al dente.
  2. Em uma frigideira grande, adicione a manteiga sem sal e derreta. Quando derreter junte o capellini e misture bem.
  3. Por último, adicione a manteiga trufada e misture mais um pouco (tomando cuidado para não quebrar os fios da massa).
  4. Salpique um pouco de sal e pimenta-do-reino moída na hora sobre a massa e sirva imediatamente.

Rendimento: 4 porções

Tempo de preparo: 10 minutos

Dificuldade: Fácil


Receitas do Paladar – parte 2

Ontem mostramos as receitas que Jefferson e Janaína Rueda (Dona Onça!) apresentaram na aula deles durante o Paladar do Brasil 2011. Hoje é dia da Roberta Sudbrack! Quem teve a sorte de assistir a aula da Roberta foi a Pati, que ficou encantada com tantas dicas, em especial, a de que o chef deve estar um passo atrás do ingrediente! A dica vale ainda para nós, cozinheiros amadores. Um bom ingrediente — se possível o melhor daquele dia — é um dos grandes segredos para o bom resultado da receita. Bom apetite!